Operadores
Login

Esqueceu a senha?

BRAMON | Pérolas no Céu – A Temporada de Flares de Satélites Geoestacionários
1473
post-template-default,single,single-post,postid-1473,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,
title

Novidades

Pérolas no Céu – A Temporada de Flares de Satélites Geoestacionários

A partir desse dia 26 de fevereiro não se assuste se observar uma nova estrela no céu, não se trata de uma Supernova mas possivelmente de um flare de um Satélite Geoestacionário.

A Temporada de Flares de Satélites Geoestacionários ocorre ao redor dos Equinócios de Outono e Primavera, quando o Sol cruza o plano do Equador Celeste que Também é o plano da órbita dos geoestacionários.  Assim entre os dias 26 de Fevereiro a 13 de Abril a luz solar atinge os painéis solares desses satélites em ângulo correto para produzir um flare pouco antes dos satélites entrarem na sombra, Umbra, da Terra e podem durar vários minutos. É um raro momento em que esses satélites podem se tornar visíveis a olho nu.

 

Satélites Geoestacionários da família Astra
créditos: M. Rudolf

Essa temporada de flares foi descoberta em abril de 1999 quando o astrônomo amador brasileiro Paulo Cacella relatou ter observado a olho nu pontos luminosos que se pareciam com estrelas. Alcir Carra, também brasileiro, confirmou a observação poucos dias depois e chegou a propor que de fato eram estrelas pois a opção alternativa seriam geosatélites brilhando a magnitudes visíveis o que até então era desconhecido.

Time lapse da sequência de flares de satélites geoestacionários.
Roland Stalder, Suíça, 2011

Apesar de um ceticismo inicial por parte da comunidade internacional de observadores de satélites por fim foi confirmado (após recorrentes observações) que de fato os dois brasileiros haviam observado flares de geosatélites.

Foi Rainer Kresken da ESA quem solucionou a questão, a resposta era que em algumas vezes ao ano (um pouco antes ou depois Equinócios) ocorre a “Temporada de Flares” de Geosatélites porque então o Sol está no (ou perto) do plano do cinturão dos geosatélites (Equador Celeste) iluminando suas superfícies reflexivas e painéis solares.

Avanço da sombra da Terra no cinturão dos Satélites Geoestacionários

Kresken determinou que há uma data ideal para a observação destes flares de acordo com a latitude do observador:

Equinócio de Outono   Equinócio de Primavera
 Latitude Data Ideal Latitude Data Ideal
+80º 27/Fev -80º 01/Set
+60º 01/Mar -60º 04/Set
+40º 06/Mar -40º 09/Set
+20º 13/Mar -20º 15/Set
20/Mar 23/Set
-20º 28/Mar +20º 30/Set
-40º 03/Abr +40º 07/Out
-60º 08/Abr +60º 12/Out

Para onde olhar no céu para observar os flares?

A região do céu em que satélites geoestacionários estão prestes a entrar na umbra em determinado dia e horário pode ser calculada na Calsky, basta inserir o dia e horário desejado em “Select start of calculation” e clicar em “Go”, o resultado estará em “Optimal coordinates” na tabela ao final da página:

https://www.calsky.com/cs.cgi/Satellites/10/1?obs=36812900386667

A observações desses flares também possuem utilidade pois muitos geoestacionários já foram desativados e por vezes ocorre de suas posições se tornarem inacuradas e até mesmo ocorre de serem perdidos!

Também é muito interessante tentar criar um time lapse da sequência de flares dos satélites, se os amigos que acompanham a BRAMON conseguirem esse registro por favor não se esqueçam de compartilhar conosco.

Mais informações em:
https://apod.nasa.gov/apod/ap120411.html
http://www.usask.ca/rasc/Geosyncs.html
http://www.intelsat.com/tools-resources/library/satellite-101/eclipse-seasons/

Nenhum Comentário

Desculpe, os comentários estão fechados agora.