Operadores
Login

Esqueceu a senha?

BRAMON | Novamente! Bólido visto no Rio Grande do Sul.
2779
post-template-default,single,single-post,postid-2779,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,
title

Novidades

Novamente! Bólido visto no Rio Grande do Sul.

Aconteceu de novo. Na noite dessa sexta, 07 de junho, o assunto mais comentado no Rio Grande do Sul ainda era o bólido visto na noite anterior quando um novo meteoro muito luminoso surpreendeu os moradores do Centro do Rio Grande do Sul.

Em pouco tempo, começaram a surgir diversos relatos através das redes sociais e do nosso sistema de reporte de bólidos disponibilizado em parceria com a AMS. Duas estações de monitoramento de meteoros da BRAMON também registraram o fenômeno. A JJS2/SC, administrada pelo Jocimar Justino em Monte Castelo, Santa Catarina, a mesma que havia registrado o bólido da noite anterior, e as estações CFJ5/RS e CFJ10/RS em parceria com o Observatório Heller & Jung, adminstrada pelo Prof. Dr. Carlos Fernando Jung. A estação CFJ10 é uma câmera allsky, que monitora todo o céu de taquara com o objetivo de registrar grandes bólidos. Nela, o meteoro aparece bem pequeno em relação a todo o céu. Na JJS2/SC ele também aparece pequeno, mas em função da grande distância entre a estação e o meteoro, cerca de 450Km. Veja abaixo os vídeos:

Trajetória e Órbita

Sempre que um meteoro é registrado por pelo menos duas estações de monitoramento, é possível, através da triangulação dos dados, obter a trajetória do meteoro pela atmosfera e também a órbita do meteoroide (pequeno fragmento de rocha espacial em órbita do Sol) antes do seu impacto com a atmosfera terrestre.

No caso deste bólido de sexta, ele surgiu a 74,7 Km de altitude sobre o município de Pântano Grande e se deslocou por 54,6 Km a uma velocidade de 15,08 Km/s (54,2 mil Km/h) até desaparecer a 24,7 Km de altitude sobre a zona rural de Pedemeiras, ambos no Rio Grande do Sul.

Sua órbita era uma órbita pouco alongada denominada Apollo , provavelmente um meteoroide proveniente do Cinturão Principal de Asteroides, com inclinação de apenas 8°, ele cruzava a as órbitas de Marte e Terra duas vezes a cada período orbita. Claro que tudo isso até a noite dessa sexta, quando ele se juntou à Terra de forma espetacular e definitiva.

 

 

 

Nenhum Comentário

Desculpe, os comentários estão fechados agora.