Operadores
Login

Esqueceu a senha?

BRAMON | Bólido na Costa do Rio Grande do Sul
2625
post-template-default,single,single-post,postid-2625,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,
title

Novidades

Bólido na Costa do Rio Grande do Sul

Um belo bólido ocorreu durante a madrugada do dia 12 de abril de 2019 na costa do Rio Grande do Sul. Ele foi registrado pelas estações JJS1/SC em Monte Castelo e CFJ2/RS em Taquara. E além disso, o clarão gerado por ele foi registrado em outras 5 estações da BRAMON e também pelo satélite meteorológico GOES-16. Confira algumas dessas imagens no vídeo abaixo:

O bólido foi inicialmente percebido por Gabriel Zaparolli, um jovem membro da BRAMON em Torres – RS. Na manhã dessa sexta, 12, ele percebeu que sua câmera havia registrado um clarão durante a noite. Clarões são comumente detectados nas câmeras de monitoramento da BRAMON, e podem estar associados à relâmpagos, fogos de artifícios e em alguns casos, à grandes meteoros. O próprio Zaparolli percebeu que esse clarão um movimento típico de um bólido e avisou ao grupo sobre o ocorrido. Logo, o registro foi encontrado nas câmeras de Monte Castelo – SC e Taquara -RS e nas imagens do Satélite GOES-16.

Análises

Após análise das imagens registradas pelas estações CFJ2/RS e JJS1/SC, concluiu-se que o meteoroide, pesando entre 6.3 e 16 Kg, atingiu a atmosfera da Terra sobre o Oceano Atlântico, a a uma velocidade de 33,95 Km/s, ou seja, 122.200 Km/h. O objeto foi totalmente consumido em sua passagem atmosférica até atingir a altitude de 36.83 Km, a cerca de 145 Km da costa do Rio Grande do Sul.

A partir dos dados de sua passagem atmosférica calculados pela triangulação das imagens, é possível retroceder o movimento e calcular a órbita do meteoroide em torno do Sol antes de seu encontro com a Terra. Esse meteoroide apresentava uma órbita alongada, com periélio de apenas 0.253 AU, interna à órbita de Mercúrio. Sua origem é provavelmente o cinturão principal de asteroides, já que sua órbita é pouco inclinada (2.8°) e seu afélio se encontra entre as órbitas de Marte e Júpiter. Não foi encontrado nenhum asteroide conhecido com órbita similar a esse meteoroide e nenhuma chuva de meteoros associada a ele, sendo portanto, um meteoro esporádico.

 

Este é o 4° grande meteoro analisado pela BRAMON nos últimos 30 dias apenas no Brasil. No dia 24 de março, houve um grande bólido registrado no final da tarde na costa de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. No dia seguinte, um outro meteoro foi registrado no interior de Santa Catarina e no dia 03 desse mês, um grande bólido foi flagrado no interior de Minas Gerais.

Se você viu, filmou ou fotografou um meteoro brilhante como esse, pode enviar seu relato para a página http://bramon.imo.net. É fácil, rápido e você ainda contribui com o estudo desses fenômenos.

Creditos:

Vídeos:

  • Carlos F. Jung (Taquara),
  • Gabriel Zaparoli (Torres), e
  • Jocimar Justino (Monte Castelo)

 

Análise dos Dados e Cálculos:

  • Carlos di Pietro Bella,
  • Carlos F. Jung,
  • Daniela Mourão,
  • Gabriel Gonçalves,
  • Jocimar Justino,
  • Marcelo Zurita, e
  • Rachel Albrecht

2 Comentários

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook
Google+
http://www.bramonmeteor.org/bramon/bolido-na-costa-do-rio-grande-do-sul">
Twitter