Operadores
Login

Esqueceu a senha?

BRAMON | Parceria da Edmond e Bramon em artigo no AstroVM
229
post-template-default,single,single-post,postid-229,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,
title

Novidades

Parceria da Edmond e Bramon em artigo no AstroVM

EDMOND REDEUm extenso artigo publicado sobre a Edmond, no site AstroVM, discursando sobre o histórico da criação da rede européia,  faz uma menção ao início da Bramon em 2013, cujo apoio da Edmond foi fundamental para o crescimento da rede brasileira. A tradução adaptada a seguir:

Em dezembro de 2013, Edmond atendeu ao pedido de ajuda na construção de redes e estações de Eduardo P. Santiago do Brasil . Seu sonho era construir uma rede nacional a partir deste estado (SP) e da participação brasileira e de observadores nas pesquisas de chuvas de meteoros. Depois de construir uma estação em São Sebastião (Eduardo P. Santiago) até o final de 2013, construiu uma estação em Nhandeara (Renato C. Poltonieri). Desde dezembro de 2013, podemos falar de uma rede de câmeras de meteoros no Brasil, que foi nomeado Bramon (Brazilian Meteor Observation Network) e também sobre a integração da rede para o banco de dados EDMOND. O início das câmeras de meteoros no Brasil, no entanto, encontramos em 2006, quando a diretora do museu, no Rio de Janeiro, Maria E. Zucolotto instalou uma câmera no Rio de Janeiro e, em seguida, possivelmente em 2009, quando começou a observação de Carlos A. Di Pietro na capital Brasília. Antes de 2013, no entanto, foram sempre observações descoordenadas e apesar do surgimento das estações acima, no final de 2013, os membros da rede tiveram que esperar pela primeira triangulação da Bramon já para o final de janeiro de 2014, quando foi colocado na estação de Mogi das Cruzes (Marco Mastria). 

Mas o desenvolvimento de câmeras da rede de monitoramento de meteoros no maior país sul-americano, assim como outros eventos, vamos discutir na próxima seção.

Fonte: AstroVM

Nenhum Comentário

Desculpe, os comentários estão fechados agora.